Pinto porque na pintura encontro a minha verdade.

Falo do ser humano, na sua solidão e complexidade.
Na origem dum trabalho está sempre o outro, conhecido ou vislumbrado, vivido ou apenas tocado; as emoções, pensamentos e fantasias nascidas desse encontro.

Cada um dos meus trabalhos é basicamente uma introspecção, uma nova descoberta sobre a natureza humana e sobre mim própria. Cada figura corresponde a um estado da alma e a uma reflexão.

 Não existe uma forma firme e definitiva: a pesquisa é interminável e mutável, assim como o ser humano..